Seu gato te morde? Veja o que pode estar acontecendo.

Quase todos os donos de gatos já devem ter sido mordidos ou arranhados por seus bichanos alguma vez. Esse comportamento pode ser frequente ou esporádico, grave ou leve – existem vários motivos para isso acontecer. A melhor forma de acabar com esse comportamento é aprendendo a identificar cada tipo de mordida e como evitá-las.

Alguns gatos simplesmente não estão habituados ou não gostam do toque humano – principalmente gatos de rua e que sofreram algum trauma. Gatos nessas condições vão evitar ser pegos no colo a qualquer custo, portanto – para evitar qualquer mordida – deve-se respeitar o espaço de um gato nessas condições e esperar que ele se aproxime do dono por conta própria, conforme a confiança for aumentando.

Gatos também podem morder por dor ou desconforto. É preciso notar se ele sempre morde ou evita que seja segurado ou tocado em um determinado local: pode ser que o gato simplesmente não goste de se ser tocado, ou sinta alguma dor naquela região. Por isso, é sempre bom estar atento a qualquer mudança de comportamento do seu bichano.

Além disso, mordidas também podem significar que o gato de subitamente não queira mais carinho, ou ser segurado e escovado, por exemplo. Em qualquer que seja o caso, nunca se deve correr atrás e tentar pegá-lo novamente, pois isso o deixará ainda mais estressado e o fará morder até mesmo mais forte.

Uma dica importante é que, se o bichano atacar um braço ou perna dos donos, a reação natural é puxar o corpo o mais rápido possível para evitar uma mordida mais dolorosa. Mas, ao fazermos isso, podemos causar arranhões ainda mais graves. Para evitar que isso aconteça, tenta conter as patas ou a cabeça do gato gentilmente, para não o machucar. Isso fará com que ele pare, se acalme e solte mais facilmente.

Outros motivos para morderem é por tédio ou simplesmente por brincadeira. Gatos são predadores naturais e, quando não caçam, precisam gastar sua energia de alguma forma — normalmente o fazem brincando de caçar. Se em alguns casos o gato estiver deitado tranquilamente ao seu lado e de repente atacar seu braço ou perna, pode ser que ele simplesmente esteja entediado ou queira delimitar seu espaço. Pode ser também que ele não queira que as pessoas passem ou fiquem do lado dele nesse momento.

Apesar disso, é importante nunca recompensarmos o animal após ter mordido! Deixe-o de lado por alguns minutos e depois dê a ele algum brinquedo para se distrair – provavelmente poderá perceber como ele corre ou agarra avidamente seu brinquedo.

Gato bravo com as orelhas para trás e os dentes expostos
Gato irritado, com as pupilas dilatadas e orelhas para trás. Imagem de Fang Y M via Pixabay

É muito comum que os gatos demonstrem alguns sinais sutis antes de morder. Suas orelhas normalmente ficam viradas para trás, seu corpo fica rígido e a cauda bate com força. Também pode dar mordidinhas de aviso e tentar afastar suas mãos de seu corpo usando as patas. Caso perceba qualquer um destes sinais, solte-o imediatamente.

Antes de morder, os gatos também podem nos dar outro aviso de que querem ser deixados em paz, dando patadas (que podem resultar em arranhões) e bufadas. Como dito anteriormente, se o seu gato demonstra que não quer ser acariciado, não insista.

Por mais que queiramos dar muita atenção e carinho para os nossos bichanos, é importante entender que cada gato tem suas características. Alguns são carinhosos e outros não; alguns são tolerantes, outros não. É preciso identificar qual é o seu tipo de gato e qual o motivo de ele agir dessa forma e eliminar a causa – seja por medo, falta de confiança, dor ou tédio. Para muitos, gatos podem ser criaturas imprevisíveis e folgadas. Mas não é o caso. Cada situação precisa ser corrigida da maneira mais apropriada.

A imagem mostra as partes do corpo de um gato onde é preferível que se acaricie, que são: a região do pescoço e cabeça e base da cauda.
A imagem mostra onde se deve ou não acariciar um gato

Se o seu gato está com medo ou traumatizado, dê a ele um espaço tranquilo na casa para que ele se sinta em paz; não mexa com ele ou toque-o; deixe alguns petiscos e sente-se próximo a ele, sempre com o gato de costas para você. Isso fará com que aos poucos o animal se acostume com a sua presença. No decorrer das semanas, se aproxime aos poucos, tentando estimulá-lo com brinquedos. Com o passar do tempo, você verá que ele confia muito mais em você e verá também que já pode acariciá-lo um pouco.

Se o seu gato costumava ser amigável, mas mudou o comportamento recentemente, pode ser que esteja com alguma dor ou desconforto. Confira se o animal está comendo, dormindo e defecando corretamente. Observe seu corpo e analise se há alguma coisa fora do comum. Em caso de dúvida ou qualquer suspeita, leve-o ao veterinário.

Lembre-se que todos os gatos precisam gastar energia – se o seu gato é criado apenas dentro de casa, é de suma importância brincar com ele todos os dias. Todos os gatos brincam, só é preciso descobrir qual o brinquedo mais atrativo para ele. Isso evitará mordidas e possíveis comportamentos destrutivos.

No vídeo abaixo, você poderá conferir mais algumas dicas do especialista em comportamento felino estadunidense Jackson Galaxy, falando sobre agressividade dos gatos e como acariciá-los da maneira correta.