Tartarugas-marinhas: espécies e preservação

É muito comum chamarmos quelônios em geral de tartarugas. Mas, na verdade, tartarugas são apenas as que vivem em água salgada – os demais são cágados, que vivem na água doce e próximos a rios e lagos, e jabutis, que são exclusivamente terrestres.

Diferentemente dos cágados e jabutis, as tartarugas passaram por grandes mudanças físicas para se adaptarem melhor à vida marinha. Sua carapaça tornou-se mais achatada, leve e hidrodinâmica, e as patas transformaram-se em nadadeiras para moverem-se com mais eficiência debaixo d’água. Outra importante adaptação foi o surgimento de glândulas de sal, localizadas próximo aos olhos.

Elas habitam os mares tropicais e subtropicais de todo o mundo, e a maioria das espécies são migratórias, vagando pelos oceanos durante toda a sua vida. Apenas durante o período de nidificação, voltam às mesmas praias que nasceram, orientando-se com a ajuda do campo magnético terrestre. Cada espécie possui hábitos alimentares e comportamentais distintos e, consequentemente, habitam locais diversos em diferentes fases da vida.

Cinco das sete espécies existentes de tartarugas podem ser encontradas nas águas da costa brasileira.

Tartaruga-comum

Tartaruga-comum entre as rochas no leito marinho. É possível ver sua garra na nadadeira direita.

Tartaruga-comum. Seu casco ainda possui protuberâncias pontiagudas, uma característica de tartarugas jovens. Conforme a idade, as protuberâncias vão desaparecendo. Imagem de Brian Gratwicke via flickr

Nome científico: Caretta caretta

Também é conhecida como tartaruga-cabeçuda e tartaruga-mestiça. É a maior do mundo do tipo com carapaça rígida – as adultas medem em média 70 a 90 cm de comprimento e têm um peso médio de 80 a 200 kg, mas exemplares de 213 cm e pesando até 545 kg já foram registrados.

Em comparação com as outras espécies, a tartaruga-comum tem uma cabeça relativamente maior. É carnívora nas primeiras fases de vida, alimentando-se principalmente de organismos gelatinosos, como salpas e pirossomos. Quando adultas, vão para ambientes mais próximas à costa e passam a se alimentar de crustáceos.

Tartaruga-de-pente

Tartaruga de pente nadando para a esquerda. Nota-se a garra na nadadeira esquerda e a borda posterior de seu casco serrilhada.

Tartaruga-de-pente. Imagem de U.S. Fish and Wildlife Service Southeast Region via flickr

Nome científico: Eretmochelys imbricata

A tartaruga-de-pente costuma habitar recifes de coral e águas costeiras rasas, mas pode ser ocasionalmente encontrada em águas profundas. As adultas geralmente atingem entre 60 e 100 cm de comprimento e pesam entre 73 e 100 kg. Porém, a mais pesada já encontrada tinha 167 kg.

A tartaruga-de-pente apresenta diversas características que a diferencia das outras espécies. Sua cabeça, alongada e cônica, termina com a boca em forma de um bico que permite buscar o alimento nas fendas dos recifes de corais. O casco ou carapaça da tartaruga possui bordas serrilhadas na parte posterior e normalmente possui um fundo laranja com uma irregular combinação de raios claros e escuros.

Embora sejam onívoras, mais de 70% de sua alimentação consiste em esponjas-do-mar, mas também se alimentam de outros invertebrados como medusas, anêmonas, lulas e camarões.

Tartaruga-verde

Tartaruga-verde no leito oceânico se alimentando de erva-marinha.

Tartaruga-verde. Imagem de Paul Asman and Jill Lenoble via flickr

Nome científico: Chelonia mydas

Costuma habitar águas costeiras, ilhas ou baías onde estão protegidas, sendo raramente avistadas em alto-mar. Ao contrário da tartaruga-de-pente ou da tartaruga comum, a tartaruga verde é principalmente herbívora, alimentando-se na maior parte de ervas marinhas.

As adultas crescem até 1,5 m de comprimento, e o peso médio dos adultos fica entre 68 e 190 kg. Algumas excepcionalmente grandes já foram encontradas – sendo que a maior já encontrada pesava 395 kg e media 153 cm.

O nome tartaruga-verde deve-se à coloração esverdeada da sua gordura corporal e não de sua carapaça – pois esta tem vários padrões de cores que mudam com o tempo. Os filhotes, assim como os de outras tartarugas marinhas, têm carapaças pretas e plastrões claros. As carapaças dos juvenis tornam-se castanho-escuras ou verde-oliva e as dos adultos são inteiramente castanhas, manchadas ou marmorizadas com raios misturados.

A ecologia desta tartaruga muda drasticamente em cada etapa de sua vida. Os filhotes são carnívoros e se alimentam de ovos de peixes, moluscos, águas-vivas, pequenos invertebrados, esponjas-do-mar, algas e crustáceos e vivem em mar aberto. Em contraste, jovens e adultos são normalmente encontrados se alimentando de ervas marinhas perto da costa.

Tartaruga-oliva

Tartaruga-oliva rastejando na areia da praia, durante o dia

Tartaruga-oliva. Imagem de Orientalizing via flickr

Nome científico: Eretmochelys imbricata

Seu nome comum se dá por causa da cor de sua carapaça verde-oliva. São encontradas principalmente próximo à costa e em águas rasas. Embora seja a espécie mais abundante, também está ameaçada de extinção devido à dificuldade em encontrar lugares adequados para fazer seus ninhos.

É uma das menores tartarugas marinhas do mundo, crescendo até aproximadamente 61 cm e raramente pesando mais de 50 kg. Assim como as outras espécies, a tartaruga-oliva é predominantemente carnívora, especialmente enquanto filhote. Normalmente se alimenta de vários tipos de invertebrados mas, ocasionalmente, pode se alimentar até mesmo de algas, se não houver outra fonte de alimento.

Tartaruga-de-couro

Tartaruga-de-couro rastejando na areia da praia, em direção ao mar, durante o dia

Tartaruga-de-couro. Imagem de Roger Le Guen via Flickr

Nome científico: Dermochelys coriacea

A tartaruga-de-couro ou tartaruga-gigante é a maior tartaruga do mundo, tendo entre 1,8 e 2 m de comprimento por 1,5 m de largura e pesando entre 250 e 550 kg – embora o maior exemplar já registrado tivesse 213 cm de comprimento e 650 kg.

Dentre as tartarugas marinhas, o corpo da tartaruga-de-couro é o que possui melhor hidrodinâmica. Diferentemente das outras espécies, a tartaruga-de-couro vive a maior parte do tempo em alto-mar, e vem à costa apenas para desovar.

O traço mais notável nestas tartarugas é a ausência visível de carapaça rígida, sendo substituída por uma com textura como a do couro – de onde vem tanto seu nome popular, quanto seu nome científico.

Sua carapaça é reduzida a ossículos na forma de estrelas intercaladas. Os maiores desses ossículos são protuberâncias alinhadas que formam cristas onduladas chamadas quilhas, que vão da cabeça até a cauda do animal.

A tartaruga-de-couro é o único réptil que possui a capacidade de manter sua temperatura corporal usando calor gerado pelo seu próprio corpo. Passando apenas 0,1% do dia descansando, a natação constante cria calor, e juntamente com sua camada de gordura que atua como isolante e seu grande tamanho, é capaz de conservar a temperatura de seu corpo, muito mais elevada do que a água ao seu redor.

Sua alimentação consiste principalmente em águas-vivas, ajudando controlar suas populações. Além disso, também podem se alimentar ocasionalmente de cefalópodes e tunicados.

Ameaças e Conservação

Os filhotes de tartarugas são muito vulneráveis: a partir do momento que saem de seus ovos, ou antes mesmo disso, precisam sobreviver aos ataques de caranguejos, lagartos, aves, cães, animais carnívoros marinhos e, é claro, de humanos. Apesar de uma única tartaruga ser capaz de depositar um grande número de ovos, somente 0,1% dos filhotes chegarão à vida adulta.

Apenas grandes tubarões-tigre e os seres humanos e caçam tartarugas adultas – estima-se que cerca de 35 mil tartarugas são mortas por ano, pela sua carne, carapaça ou ovos. Sendo a atividade pesqueira cada vez mais intensa e uma das maiores ameaças a esses animais devido à pesca acidental e ao não cumprimento das leis, matando milhares anualmente.

A perda de habitat também é uma preocupação: o desenvolvimento costeiro nas áreas de nidificação impede as fêmeas de colocarem ovos e impossibilita a sua reprodução. Nas últimas décadas, a ocupação humana e a especulação imobiliária têm sido causadores da degradação dos ambientes marinhos e costeiros, bem como a consequente ameaça a esses animais, por meio da destruição da vegetação nativa, aumento do tráfego de veículos e embarcações, e da iluminação artificial.

Além disso, a poluição dos oceanos – principalmente sacolas plásticas, muitas vezes são confundidos com alimentos como medusas e águas-vivas, sendo ingeridos e diminuindo significativamente o tempo de vida das tartarugas, que cumprem um papel fundamental para o equilíbrio do ecossistema marinho: se um ambiente está desequilibrado, elas também estarão. Como possuem uma série de relações e influências marinhas também podem indicar a qualidade do ambiente.

Sendo importantes reguladoras de diversas espécies marinhas como medusas, algas, esponjas e gramas marinhas. Sem as tartarugas, essas populações poderiam aumentar de modo insustentável, fazendo com que seu ecossistema entre em desequilíbrio, podendo gerar diversas extinções locais e diminuição da diversidade.

Em uma pesquisa feita com 102 tartarugas, mais de 800 pedaços de plásticos foram encontrados no estômago de todas elas. Sendo os objetos mais comuns encontrados: bitucas de cigarro, pedaços de pneu, plástico em várias formas e materiais de pesca.

Tartaruga-verde é encontrada morta e enrolada em uma rede de pesca abandonada, na praia.

Tartaruga-verde, afogada após ficar presa em uma rede de pesca e não conseguir subir até a superfície para respirar. Imagem de NOAA Marine Debris Program via flickr

Outras grandes preocupações são as mudanças climáticas – que afetam a quantidade de indivíduos machos ou fêmeas que nascem – e o derramamento de óleo nos mares.

As tartarugas têm sofrido declínios populacionais há décadas. Das sete espécies existentes, todas estão ameaçadas. Apesar de serem animais amplamente distribuídos, seu ciclo de vida é longo e complexo e sua maturação sexual é muito demorada, levando entre 20 e 30 anos.

Além disso, seu período de reprodução tem intervalos muito grandes, variando entre 1 e 3 anos, o que dificulta ainda mais que seus números aumentem. Como as tartarugas têm uma área de distribuição muito extensa, a sua conservação requer um esforço de cooperação internacional.

O Projeto Tamar vem desenvolvendo há 30 anos estratégias de conservação e conscientização, mas seu sucesso depende de programas nacionais bem coordenados combinados com as comunidades locais e outras organizações não governamentais.

Uma das principais ações que pode ajudar a conservá-las (assim como todas as outras espécies marinhas) é o uso consciente do plástico – evitando seu uso, descartando-o nos locais corretos e reciclando-o. Além de serem confundidos com presas e ingeridos, as tartarugas não desovam em praias sujas, diminuindo ainda mais suas populações. Por isso, uma pequena ação que pode fazer toda a diferença para essas tartarugas é a limpeza das praias, depositando todo o lixo em local apropriado.

Por serem animais muito sensíveis a sons e à luz, durante sua desova, é importante que fontes de luz e barulhos próximos sejam desligados para que, assim, as tartarugas ou seus filhotes não se confundam em seu retorno para o mar. Isso garante que não haja perturbação e que elas sigam seu caminho naturalmente, sem interferência humana. Portanto, em um ambiente equilibrado, com pouca intervenção humana, as tartarugas vivem bem e realizam seu ciclo de vida tranquilamente.


Leia mais em:

Sea Turtle

Tartaruga Comum

Effects of temperature and demography on the phenology of loggerhead sea turtles in Brazil

Tartaruga-de-pente

Distribution and growth rates of immature hawksbill turtles Eretmochelys imbricata in Fernando de Noronha, Brazil

Green Sea Turtle

Physiological effects of incidental capture and seasonality on juvenile green sea turtles

Olive Ridley Sea Turtle

Olive ridley inter-nesting and post-nesting movements along the Brazilian coast and Atlantic Ocean

Leatherback Sea Turtle

Thirty years of leatherback turtle Dermochelys coriacea nesting in Espírito Santo, Brazil, 1988−2017: reproductive biology and conservation

SUMÁRIO EXECUTIVO DO PLANO DE AÇÃO NACIONAL PARA A CONSERVAÇÃO DAS TARTARUGAS MARINHAS

Biologia, ecologia e conservação das tartarugas marinhas

INFLUÊNCIA DO CAMPO MAGNÉTICO NATURAL TERRESTRE NA MIGRAÇÃO DAS TARTARUGAS MARINHAS DA PRAIA DE INTERMARES, CABEDELO - PB.

Assessing coastal artificial light and potential exposure of wildlife at a national scale: the case of marine turtles in Brazil