Conheça a cecília

As cecílias são anfíbios vertebrados assim como os sapos e salamandras e são fossoriais, ou seja, são adaptadas para cavar e viver debaixo do solo – como as toupeiras. Por manterem esse estilo de vida seus olhos sofreram algumas adaptações, se tornando reduzidos e cobertos por uma fina camada de pele – o que faz com que pareçam cegas – o que deu origem ao seu nome “cobra-cega” e também cecília (que significa “cega”). Apesar de serem assim chamadas, as cecílias não são totalmente cegas e conseguem distinguir a ausência e a presença de luz.

Estão espalhadas pelas regiões tropicais de vários países da América do Sul e Central, África e o Sudeste Asiático. Porém, das 6 famílias existentes, apenas 3 estão presentes no Brasil, compondo aproximadamente 27 espécies. São animais extremamente diversos, assim como o tamanho de cada espécie, fazendo com que as pequenas se assemelhem a minhocas e as maiores à cobras.

Na imagem é possível vermos a boca, um dos olhos, uma pequena protuberância abaixo dos olhos chamada de tentáculo e na ponta da cabeça, a narina.

Cabeça de uma cecília da espécie Siphonops paulensis. Imagem de Reuber Brandão via iNaturalist

As cecílias da família Typholonectidae são algumas das que mais se destacam. Diferentemente das outras famílias, essas cecílias são predominantemente aquáticas, habitando rios e charcos de águas quentes e turvas. São as únicas cecílias que possuem barbatanas e os filhotes possuem brânquias externas que somem quando atingem a fase adulta.

Além disso, algumas possuem uma toxina em sua pele que pode afetar alguns peixes, o propósito dessa toxina no entanto, ainda é desconhecido. A maior espécie dessa família é a Atretochoana eiselti que quando adulta, pode medir mais de 80 cm – sendo o maior vertebrado conhecido sem pulmões e absorvendo oxigênio através da pele, assim como algumas espécies de salamandras.

Já cecílias como a Siphonops annulatus podem chegar aos 45 cm e possuem glândulas cutâneas de veneno localizadas na área labial, porém não possuem nenhum tipo de estrutura especializada em inoculação como as serpentes. Por outro lado, essa secreção cobre a superfície dos dentes durante a predação, sugerindo que as glândulas de veneno sejam comprimidas durante mordidas prolongadas, transmitindo o veneno para a presa através da mordida.

A imagem mostra todo o corpo de uma cecília, sua cabeça aponta para baixo e sua cauda passa por baixo do restante de seu corpo.

Cecília do gênero Siphonops. Imagem de Douglas Eduardo Rocha via iNaturalist

A pele dos anfíbios em geral possui as mais variadas toxinas no entanto, a maioria dos estudos sobre essas secreções têm se concentrado na Ordem dos anuros, tendo poucos sobre a toxicidade da pele das cecílias. De fato, as cecílias fazem parte de um dos grupos de vertebrados menos conhecidos, principalmente devido ao seu modo de vida fossorial, tornando-os animais de difícil acesso.

Para poder recolher e estudar um único indivíduo é necessário uma grande energia sendo que dependendo da época, são necessárias de 4-20 horas de escavação manual. Portanto, o conhecimento científico sobre esses animais é muito restrito, e em geral, provém de relatórios esparsos obtidos indiretamente e principalmente através de espécimes em museus e zoológicos.

Muitos outros estudos precisam ser feitos para obter mais informações sobre a vida desses animais. O número crescente de descobertas de anfíbios com características cada vez mais distintas, leva-nos a esperar que mais espécies impressionantes serão encontradas assim.


Leia mais em:

A new lungless caecilian (Amphibia: Gymnophiona) from Guyana

Cobra-cega (Siphonops annulatus)

Occurrence of hemolytic activity in the skin secretion of the caecilian Siphonops paulensis

Morphological Evidence for an Oral Venom System in Caecilian Amphibians

AnphibiaWeb (Atretochoana eiselti)